Juro nem sempre é refúgio seguro

stockCom a elevação das taxas de juros no Brasil, o investidor brasileiro parece ter voltado à era da acomodação. Acomoda-­se em fundos DI e renda fixa conservadores, acreditando que é a melhor forma de proteger seus investimentos. Estudos estatísticos e históricos de crises passadas demonstram que o investidor que diversifica é o que se sai melhor em períodos de incertezas.

Basta lembrar da boa performance de fundos multimercados no pós­-crise de 2008 para entender por quê: com gestão ativa, esses fundos têm carteiras que, ao mesmo tempo, aproveitam boas oportunidades ­ como ações depreciadas de empresas com bons fundamentos ­, estratégias no mercado externo, bem como criam estratégias em juros e moeda estrangeira. Em poucos períodos vivemos tanta incerteza como agora. Em 2008, tínhamos uma visão bastante clara sobre o que acontecia lá fora.

Atolado na ciranda do subprime, os EUA entraram em uma crise que só teve precedentes em sua história em 1929, com a quebra das bolsas de valores. Mas o Brasil vivia um período econômico de crescimento e estabilidade. O crescimento de nações fora do eixo Europa/EUA nos favorecia, pois somos grande exportador de commodities. Em 2015 o cenário é bem diferente. Não bastasse a incerteza política interna, assistimos ao tombo da economia chinesa, sem ter clareza se a desaceleração será um pouso suave como o governo deseja. Neste momento, a China é o que mais preocupa a todos.

Ao mesmo tempo que o país busca fazer a transição, de uma economia basicamente exportadora para uma economia voltada para o mercado doméstico, ele tenta evitar uma queda mais forte no crescimento no curto prazo. As medidas de redução da taxa de juros e corte de compulsório desde o fim do ano passado vão nessa direção. Outra medida anunciada pelo governo chinês, a inesperada desvalorização do yuan, nos dá uma visão positiva e nos faz acreditar que o país está indo na direção da liberalização da economia, já que permite que as “forças de mercado” tenham um papel fundamental para determinar o valor da moeda.

Dessa forma, o yuan pode ser uma moeda mais presente no cenário global. No entanto, existe ainda a preocupação sobre se essa desvalorização é ou não uma tendência mais proeminente no curto prazo. Após tantos meses com tendência de apreciação e baixa volatilidade, a China atraiu investimentos de arbitragem cambial e “carry trade”. Caso o governo chinês opte por reaquecer a economia via setor externo, deve­se observar grande saída de capital e, assim, uma desvalorização do yuan ainda maior, chegando a 10% ou 15%. Dessa forma, teríamos uma indicação no cenário de moedas de que as divisas poderiam sofrer uma pressão adicional para a desvalorização, uma vez que há perda de competitividade em relação à China. Incluindo aí o real.

O quadro de incertezas se agrava com os EUA, Japão e a Europa demonstrando contínuas perdas no ritmo de crescimento. E o cenário externo de pouco crescimento para uma economia como a brasileira, que ainda depende muito do que acontece lá fora, não é uma boa notícia. 2016 será um ano com inflação ainda alta e crescimento cada vez pior. Estamos no meio de um ano de correção de rota macroeconômica e de ajustes fundamentais para a sustentabilidade do país no longo prazo. Era fundamental que isso fosse feito. Mas a cisão política está barrando, no Congresso, boa parte do ajuste fiscal. Hoje temos baixa popularidade do governo, cenário de deterioração do desemprego e perda de poder de compra da população. O retorno de confiança, neste momento, é fundamental!

Em período de tanta volatilidade e incerteza, refugiar­-se apenas em juros não é uma opção tão inteligente. Os chamados investidores qualificados devem olhar com atenção para a diversificação de carteiras utilizando alocações em ativos no exterior. Há fundos multimercados brasileiros que permitem este tipo de diversificação. Já o investidor individual pode pensar em uma carteira que inclua alguma proteção em moeda estrangeira e uma parcela em ativos prefixados, com visão para os próximos dois anos. Isto é importante porque, no cenário doméstico de menor crescimento, é natural que em algum momento voltemos a falar no corte de juros.

E isso começará a acontecer no momento em que houver desaceleração da inflação. Devido à fraqueza nos dados econômicos nacionais, tais como o aumento do desemprego e a consequente queda na renda do brasileiro, poderemos ter um ambiente que propicie a queda da inflação e, consequentemente, uma janela de oportunidade para que o Banco Central do Brasil reduza a taxa básica Selic, a partir de meados de 2016. É bom lembrar que há outro possível cenário: em um ambiente de menor crescimento externo e desajustes domésticos como falta de um ambiente fiscal que propicie um cenário benigno para a inflação no médio prazo, o governo e o Banco Central poderiam ter que voltar a ancorar as expectativas e retomar o movimento de elevação de juros.

Mas isso será condicionado a outros fatores, como a disparada do dólar e a um desajuste fiscal severo, com uma consequente elevação no prêmio de risco de médio prazo e uma necessária resposta por parte do Banco Central. Esse não é ainda o cenário base da maioria dos agentes econômicos, mas sua probabilidade não é desprezível. A melhor carteira para proteção, dado que vivemos em um ambiente de alta volatilidade, pede necessário dinamismo, diversificação em juros pré e pós­fixados, moeda estrangeira e ativos hoje depreciados e com oportunidade de forte valorização no médio prazo. Por isso, os fundos multimercados acabam sendo um ótimo refúgio para o investidor.

Com gestão extremamente ativa e dinâmica, estão conseguindo superar a renda fixa e oferecer ótimos prêmios. Isso explica por que a maioria dos fundos multimercados conseguiu, nos últimos meses, superar o CDI (maior taxa de juros praticada no mercado interbancário), trazendo proteção e retorno ao investidor.

Damont Carvalho é sócio da Claritas Investimentos e gestor de fundos macro.