Maioria dos brasileiros não tem reserva para emergência

Os brasileiros são os mais vulneráveis do continente em caso de emergência: 44% deles – mais de 70 milhões acima dos 15 anos– consideram impossível levantar cerca de R$ 2.500 numa necessidade extrema, segundo o Banco Mundial (para permitir comparações, o órgão usou uma quantia relativa, equivalente a 1/20 do PIB per capita). No mundo, … Continuar lendo Maioria dos brasileiros não tem reserva para emergência

O fator imponderável

Por: Fernando Dantas O ano se inicia com boas notícias para o Brasil. A economia global parece estar ganhando ritmo e os preços das commodities, muito importantes para o Brasil, vêm se recuperando. Prevalece nos mercados mundiais a aposta de que os aspectos potencialmente positivos do governo Trump prevalecerão sobre os aspectos potencialmente negativos. No … Continuar lendo O fator imponderável

Ata do Copom diz que cenário não permite hipótese de cortar juros

Em ata da reunião realizada na quarta-feira passada (27), o Copom (Comitê de Política Monetária) disse que o cenário atual não permite que se trabalhe com a hipótese de flexibilização monetária. Ou seja, o corte de juros tão aguardado pelo mercado não deve ocorrer tão cedo. Conforme mostra a ata, o comitê se comprometeu a … Continuar lendo Ata do Copom diz que cenário não permite hipótese de cortar juros

Respostas à altura da crise

Com frequência se diz por aí que nunca se viu situação econômica tão ruim quanto a atual. Discordo. Entre 1982 e 1993, a “década perdida” do caos da hiperinflação e da moratória externa, o Brasil amargou queda na renda por pessoa de cerca de 1% ao ano! Mas o Brasil vive hoje sim uma crise … Continuar lendo Respostas à altura da crise

Juro nem sempre é refúgio seguro

Com a elevação das taxas de juros no Brasil, o investidor brasileiro parece ter voltado à era da acomodação. Acomoda-­se em fundos DI e renda fixa conservadores, acreditando que é a melhor forma de proteger seus investimentos. Estudos estatísticos e históricos de crises passadas demonstram que o investidor que diversifica é o que se sai … Continuar lendo Juro nem sempre é refúgio seguro

Poder de compra das famílias deverá retroceder 5 anos

Diante do desempenho desfavorável dos principais condicionantes de consumo das famílias, especialmente renda, emprego e crédito, é interessante o índice acompanhado na Tendências, que analisa essas variáveis sob perspectiva conjunta para captar da melhor forma possível o poder de compra das famílias e, consequentemente, tornar­-se um termômetro para o varejo no curto prazo. Os vários … Continuar lendo Poder de compra das famílias deverá retroceder 5 anos

Projeções para PIB de 2015 e 2016 pioram

As projeções para o desempenho da economia brasileira neste e no próximo ano continuam em franca deterioração e já há quem veja queda de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015. Segundo os analistas consultados para o boletim Focus, do Banco Central, a atividade deve encerrar o ano com contração de 1,76%, contra previsão … Continuar lendo Projeções para PIB de 2015 e 2016 pioram

Déficit da Previdência é o maior desde 2007

Com a piora da arrecadação que reflete a deterioração gradual do mercado de trabalho, o déficit da Previdência pode atingir a marca de 1,50% do Produto Interno Bruto (PIB) no fim do ano. Esse será o nível mais alto desde 2007, quando o rombo era de 1,7% do PIB. Pelos dados divulgados no terceiro relatório … Continuar lendo Déficit da Previdência é o maior desde 2007

Renda média real recua 5% em maio, maior queda desde janeiro de 2004

A queda forte nos rendimentos em maio mostrada pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME) reforça o diagnóstico de que o mercado doméstico deve jogar contra a atividade neste ano ­ e possivelmente em 2016. No mês passado, a renda média real registrou a maior queda desde janeiro de 2004, de 5% sobre o mesmo período … Continuar lendo Renda média real recua 5% em maio, maior queda desde janeiro de 2004