O futuro da saúde: reinventando o negócio

Reinventar modelos de negócios e construir novas fontes de receita nunca foi tão importante para o setor de saúde, especialmente porque busca melhorar vidas e meios de subsistência. A reinvenção do modelo de negócios está se tornando cada vez mais essencial para fornecer maior valor às partes interessadas nas áreas de qualidade, acessibilidade, acesso, experiência e equidade.

Impulsionada por uma combinação de rápido desenvolvimento de tecnologia e ciência médica, demanda de mercado, política governamental e pressões financeiras, a evolução em direção a novos modelos de negócios (por exemplo, atendimento gerenciado de última geração, a fragmentação simultânea de locais de atendimento, integração de atendimento em torno do paciente, a consolidação de instituições de prestação de cuidados, empresas de serviços de saúde habilitadas por tecnologia) já está em andamento.

O mercado de inovação em novos negócios estava se movendo muito rapidamente antes do COVID-19 e acelerou durante a pandemia. Percebendo a oportunidade significativa de melhoria na área de saúde e o potencial de retornos atraentes, os “private equities” e os principais investidores têm implantado capital substancial e atraindo talentos de dentro e fora da área de saúde (por exemplo, tecnologia), tudo com o objetivo de impulsionar a criação rápida de novos negócios e aumento de escala.

Os executivos da área de saúde devem agora liderar suas instituições, projetadas para mudanças metódicas e lentas, de uma forma que reinvente seus negócios com a velocidade do mercado. O que antes era feito em anos, agora deve ser feito em meses e o que era feito em meses em questão de semanas. Novos modelos de negócios na área de saúde devem agora ser lançados em 12 meses, e estabelecer a disciplina e os recursos para a construção de negócios é uma prioridade.

A saúde não é a única nesse aspecto – a construção de negócios tornou-se uma das principais prioridades em todos os setores. Nossa experiência em vários desses setores mostra que seis elementos são essenciais e característicos de uma organização de construção de negócios de sucesso.

  1. Fortemente comprometido com a construção de negócios pela alta administração. As melhores organizações de construção de negócios têm o patrocínio do CEO e da alta administração claro, visível e sustentado para os empreendimentos de construção de negócios. Esse compromisso é evidente ao priorizar a construção de negócios na estratégia corporativa, permitindo tempo de antena em reuniões de administração e conselho e alocando capital para o esforço.
  2. Focar obsessivamente em ideias de criação de valor que melhoram a saúde de maneira significativa e mensurável. Isso usa dados, talento, distribuição, marca e muito mais, os quais fornecerão recursos diferenciais para o novo negócio, mas ainda priorizando qualidade e acesso.
  3. Incutir uma cultura de agilidade de teste e aprendizado. Os executivos devem ser capazes de experimentar, aprender e pivotar com ritmo, para garantir o melhor produto e ajuste de mercado que desbloqueará o dimensionamento. As organizações não acertarão no início, mas desenvolverão músculos com o tempo.
  4. Tendo uma tendência para recursos de “arquitetura aberta”. Esses recursos alavancam parcerias, ecossistemas, aquisições e ativos internos para entregar a proposta de valor.
  5. Assegurar distância organizacional suficiente do novo build do núcleo. Essa distância evita impedir a nova construção de processos projetados para organizações maduras. Esse elemento requer o equilíbrio do talento do núcleo com as novas contratações, que trazem diferentes mentalidades e habilidades.
  6. Estabelecer gerenciamento e medição de desempenho dinâmico em horizontes de tempo, com foco na construção de capacidade, dados e marcos nos primeiros dias, e não indexar excessivamente os retornos financeiros muito cedo.

Com o tempo, muitas empresas estabelecidas tentaram e fracassaram na construção de novos negócios do zero. Aqueles que descobriram isso adotam uma abordagem rigorosa que busca combinar a velocidade de uma start-up com a escala e os ativos do negócio principal.

Abordagens vencedoras geralmente começam com uma revisão estratégica baseada em fatos das oportunidades de construção de negócios, fundamentada nas necessidades do cliente, movimentos competitivos e ideias de criação de valor que movem a agulha. Essas iniciativas são seguidas por um projeto detalhado do novo negócio (incluindo mais especificidade do(s) produto(s), a equipe de gestão, o modelo de entrada no mercado) e, em seguida, pivotando a construção e o dimensionamento do novo negócio, o que normalmente envolve inscrições de clientes, receitas crescentes e, muitas vezes, uma nova marca emergente no mercado.

Os líderes da área de saúde devem buscar uma abordagem estruturada semelhante ao embarcar em sua jornada.

Mudanças de época já aconteceram na área da saúde antes. Muitas das maiores seguradoras de saúde no advento da era do managed care não estão mais no setor e a maior instituição privada de saúde dos Estados Unidos hoje não existia naquela época. Mais recentemente, o crescimento do atendimento gerenciado no Medicare (Medicare Advantage) e no Medicaid mudou a indústria desde a crise financeira global. A indústria de provedores está significativamente consolidada, e serviços de saúde totalmente novos e players de tecnologia surgiram. Os construtores de negócios adeptos ganharão nesta próxima época, melhorando substancialmente a saúde e os cuidados de saúde, ao mesmo tempo que criam um valor imenso para seus acionistas.

Fonte: McKinsey Quarterly

Autores:

Shubham Singhal , um sócio sênior do escritório de Detroit, é o líder global das práticas de Saúde, Setor Público e Setor Social. Ari Libarikian é sócio sênior do escritório de Nova York.

Este artigo foi editado por Elizabeth Newman, editora executiva do escritório de Chicago.

Tradução livre: ASSISTANTS