Como um centro de operações ajudou o Tampa General Hospital a economizar US$ 40 milhões

O Tampa General Hospital, na Flórida, economizou US$ 40 milhões ao reduzir as ineficiências operacionais no ano passado e, de acordo com o hospital, a instalação de seu centro de operações em toda estrutura é a razão para essa economia significativa de custos.

Em agosto de 2019, o hospital foi o primeiro na Flórida a lançar  o centro de operações CareComm, desenvolvido em parceria com a GE Healthcare. O centro, que possui 20 aplicativos de inteligência artificial, paredes de vídeo com 38 telas, 32 estações de trabalho e vários sistemas computadorizados, tem como objetivo agilizar as operações e ajudar a equipe do hospital a identificar gargalos que estão atrapalhando o atendimento. É operado por uma equipe clínica que inclui médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde.

Este ano, o hospital relatou uma economia de custos de US$ 40 milhões como resultado da redução de 20.000 diárias desnecessárias de pacientes. O excesso de diárias é a forma como o hospital calcula sua economia geral, disse Peter Chang, vice-presidente de cuidados do Tampa General Hospital, em entrevista por telefone.

“Nós olhamos para o excesso de diárias que conseguimos eliminar de todas as internações de nossos pacientes [no hospital]”, disse ele. “E a forma como calculamos esse número é que olhamos para a média do tempo de internação, que é publicado pelo Medicare para cada grupo de diagnóstico específico.”

Depois que um paciente é codificado e chega a um grupo de diagnóstico específico, o hospital é capaz de ver o tempo médio de internação de todos os pacientes do Medicare no grupo, atribuindo uma meta para o tempo de permanência esperado, explicou ele. Depois, há o tempo de internação observado e a quantidade real de diárias que um paciente fica no hospital. A diferença entre os dois valores é usada para calcular o número de diárias em excesso – e cada dia tem um preço. O preço inclui todos os custos diários associados à permanência de um paciente em hospital, como honorários e custos de atendimentos não clínicos.

“Não queremos que os pacientes fiquem aqui por mais tempo que o necessário”, disse Chang. “Mas, é claro, queremos que nossos pacientes fiquem aqui pelo tempo adequado que leva para a cura.”

O hospital reduziu o excesso de diárias ao lidar com ineficiências operacionais, como a quantidade de tempo que leva para os exames ou outros serviços auxiliares serem realizados. O centro de operações ajudou as equipes de atendimento do hospital a identificar falhas na progressão do atendimento e reduzir o tempo que os pacientes tinham de esperar por esses serviços, o que, por sua vez, reduziu o tempo total de internação.

O centro de operações provou ser especialmente útil em meio à pandemia de Covid-19, disse Chang. Como o estado começou a ver aumento de casos durante o verão, o Tampa General Hospital pôde usar o centro de operações para monitorar sua capacidade de leitos, fluxo de pacientes e formular um plano para protocolos clínicos e de isolamento.

“[O centro] foi o ponto do esforço da Covid-19”, disse Chang.

Por exemplo, ferramentas de dados no centro de operações foram usadas para decidir quais unidades no hospital poderiam ser convertidas em leitos para pacientes Covid-19 e, mais recentemente, quais unidades poderiam ser convertidas de volta em áreas regulares de atendimento ao paciente (à medida que os casos diminuíam).

Além disso, a equipe do centro de operações liderou uma reunião diária com líderes de toda a organização para discutir estratégias, compartilhar atualizações e garantir que todos tivessem acesso a informações estaduais, municipais e locais relacionadas à pandemia, disse Jeff Terry, CEO da GE Healthcare, por e-mail.

O hospital aproveitou ainda mais sua parceria com a GE Healthcare para desenvolver um sistema baseado em nuvem para que os hospitais da Flórida pudessem compartilhar dados em tempo real sobre as hospitalizações e recursos da Covid-19. O sistema ajuda os hospitais a colaborar quando necessário para gerenciar o fluxo e refluxo de pacientes com Covid-19. O sistema também pode ser usado para gerenciar respostas regionais a futuros desafios de saúde pública, incluindo, por exemplo, furacões.

Fonte: GE Healthcare

Tradução livre ASSISTANTS