Porto Seguro entra no segmento de serviço de saúde popular

Ao pagar R$ 19,90 por mês usuário tem acesso a consultas físicas ou remotas e psicoterapia por até R$ 100

A Porto Seguro lança nesta segunda-feira, 21, um serviço de assinatura para consultas e exames que irá custar R$ 19,90 por mês.

Chamado de “Porto Cuida’, o serviço, que inclui o titular e dois dependentes, sem a necessidade de grau de parentesco, oferece descontos em consultas (físicas ou remotas), exames, terapias e medicamentos. Na assinatura já está incluso quatro atendimentos por telemedicina ao ano por vida, serviço oferecido pela rede Teladoc.

Com o novo serviço, a empresa busca atingir a parcela crescente de brasileiros que não têm um plano de saúde, seja por conta da crise econômica que persiste no país como por causa de custos cada vez mais altos da proteção. Atualmente os preços altos do seguro-saúde inviabilizam o acesso a planos individuais para quem perde o emprego e, consequentemente, o plano de saúde corporativo,

O grupo segurador já oferece planos de saúde corporativos no segmento de empresas de grande porte e também para PMEs em São Paulo e no Rio de Janeiro. O novo serviço é uma forma de expandir essa atuação, diz Marcelo Picanço, vice-presidente de Seguros da empresa.

Picanço explica que a pandemia apenas acelerou esse processo. “O produto não é um seguro ou um plano de saúde: seu objetivo é facilitar o acesso a serviços médicos, que ganham relevância atualmente. Hoje, 3/4 da população brasileira não tem um plano de saúde e precisam de orientações sobretudo sobre a covid-19.”

Ou seja, o Porto Cuida quer ser um serviço complementar ao SUS. “A rede pública atende bem, mas o problema é que o atendimento é burocrático e o tempo de espera é longo. O processo de orientação aos usuários do sistema ainda é muito manual”, explica o executivo. “Buscamos oferecer um serviço digital de orientação em um momento no qual as pessoas buscam evitar o ambiente hospitalar.”

É a primeira grande companhia a entrar em um segmento dominado por pequenas redes. A empresa aposta na força de sua marca para atrair atenção para o serviço, e diferente de concorrentes, o objetivo não é oferecer uma rede própria de atendimento, mas parcerias que já tem em seus planos de saúde.

Uma delas é a DaVita Serviços Médicos, que comprou, em 2018, a rede própria de clínicas da Porto Seguro. “Desde então decidimos que não queremos competir em tijolo, carregar ativos como imóveis”, explica Picanço.

Fonte: Exame