O impacto da COVID-19 na saúde mental e uso de substâncias

A pandemia da COVID-19 é uma ameaça não só à vida humana diretamente mas também para a nossa saúde comportamental. Poderemos enfrentar o mais acentuado recuo econômico na história moderna e um aumento recorde de desemprego. É inevitável que a pandemia global, agravada pela crise financeira, tenha um impacto material na saúde mental da sociedade.

Após a crise financeira global em 2007-08, por exemplo, muitos países tiveram aumento nas taxas de depressão, ansiedade e uso de álcool e drogas. Em 2008, a recessão iniciou um aumento de 13% nos suicídios atribuídos ao desemprego, com mais de 46.000 vidas perdidas. Além do impacto negativo de uma crise econômica tradicional, o COVID-19 apresenta desafios adicionais — medo do próprio vírus, luto coletivo, distanciamento físico prolongado e isolamento social — que agravarão o impacto em nossa psique coletiva.

Como observado pelo McKinsey Global Institute, “Relatórios diários de aumento de infecções e mortes em todo o mundo aumentam nossa ansiedade e, em casos de perda pessoal, nos conectam ao luto. Há incerteza sobre o amanhã; sobre a saúde e segurança de nossas famílias, amigos e entes queridos; e sobre nossa capacidade de viver a vida que  amamos.” Uma pesquisa  nacional de consumo da McKinsey, de 27 de março, ilustra essa angústia generalizada, exacerbada ainda mais entre aqueles cujos trabalhos foram adversamente afetados pelo COVID-19. Essa confluência de fatores representa uma ameaça sem precedentes à saúde atual e futura de nossa sociedade.

Theodore Roosevelt disse uma vez: “Quanto mais você sabe sobre o passado, mais preparado você está para o futuro.” Examinando o impacto comportamental da Recessão de 2008 na saúde e outros desastres em larga escala, podemos mitigar o impacto negativo para a sociedade de mais perdas econômicas e sofrimento humano. Extensas pesquisas têm documentado a associação de recessões, demissões em massa e períodos prolongados de desemprego e aumento da desigualdade de renda a um impacto devastador na saúde e na expectativa de vida nos Estados  Unidos. Um exame desses dados mostra que a desigualdade de renda segue de perto a taxa de suicídios entre adultos em idade de trabalho (abaixo). Esses efeitos podem se aprofundar ao longo da pandemia COVID-19.

Não só os transtornos mentais e de uso de substâncias decorrem de dificuldades econômicas, como também são conhecidos como causadores de menor produtividade, aumento dos custos de saúde e maior mortalidade. A Organização Mundial da Saúde observou que a depressão e a ansiedade têm um custo estimado para a economia global de US $ 1 trilhão por ano em produtividade perdida.  Uma provável onda de pessoas com problemas de saúde comportamental agudos — tanto aqueles com novos sintomas quanto aqueles com condições pr´é-existentes — tem potencial para pressionar ainda mais o sistema de saúde e adicionar custos a uma crise econômica já sem precedentes.

Para entender a saúde comportamental como responsável pelo aumento de custos,  o Instituto McKinsey realizou uma análise dos dados nacionais de sinistros de seguros e descobriu que 60% dos gastos médicos globais são impulsionados por 23% dos beneficiários que têm transtornos mentais ou de uso de substâncias (gráfico a seguir). Esse gasto desproporcional é impulsionado em grande parte pelo aumento dos custos médicos. Por exemplo, o custo para tratar o diabetes de um paciente com depressão é, em média, o quase US$ 20.000 mais alto do que para um paciente sem depressão, devido a fatores como complicações médicas, redução do acesso a cuidados preventivos e desafios com a própria autogestão da doença.

Enquanto os governos correm para conter o COVID-19, é importante conhecer as ações que a sociedade pode tomar para mitigar o impacto comportamental na saúde da pandemia e da crise econômica. Para cada um dólar gasto na ampliação do tratamento para transtornos mentais comuns, um retorno de quatro dólares pode ser realizado na melhoria da saúde e produtividade. Nos Estados Unidos, o programa CARES, de combate ao Coronavírus, fornece US$ 425 milhões para cuidados adicionais de saúde comportamental e prevenção de suicídio. Dada a urgência desta questão, as medidas sem dúvidas para as partes interessadas em saúde podem incluir:

  • Fortalecer a prevenção da comunidade: Fornecer suporte de aconselhamento de crise estratificado por riscos a indivíduos e famílias diretamente afetados pelo COVID-19, incluindo indivíduos que perdem seus empregos, profissionais de saúde e essenciais, idosos, pessoas com deficiência e indivíduos em quarentena prolongada.  Em todas as comunidades, devem ser realizadas ações de divulgação para promover a resiliência, normalizar reações e deixar as pessoas saberem quando e onde buscar ajuda;
  • Aproveitamento dos dados de tecnologia: Na fase inicial de “resolver”, use análises preditivas para direcionar a prevenção e os recursos clínicos para aqueles com maior risco para problemas de saúde mental ou uso de substâncias e aqueles cujas necessidades básicas não sejam atendidas. À medida que avançamos para a recuperação na fase de “retorno”, alavancamos e melhoramos as fontes de dados disponíveis, incentivamos o uso de inteligência artificial e dimensionamos plataformas digitais (por exemplo, terapêutica-digital) para conectar os consumidores ao cuidado baseado em evidências e medidas. À medida que os governos financiam a telessaúde, podem examinar o impacto que as medidas emergenciais, as flexibilidades e os aumentos de utilização sob o COVID-19 estão tendo no atendimento;
  • Integrar serviços de saúde comportamental e física: Iniciar ou acelerar esforços para reduzir o estigma e incentivar a compreensão da saúde comportamental como fundamental para a saúde geral. Implementar a triagem e o tratamento universal para problemas de saúde mental e uso de substâncias em ambientes de atenção primária e especializada, inclusive para indivíduos com ou em alto risco para o COVID-19. Aumentar a competência em saúde comportamental dos prestadores de cuidados primários, ampliar o uso de conselheiros pares para viabilizar cuidados de saúde comportamentais oportunos e fortalecer a capacidade da força de trabalho em saúde comportamental. Fornecer cuidados de saúde físicos adequados aos indivíduos com necessidades contínuas de cura comportamental.
  • Abordar as disparidades de desemprego e renda:  Para reduzir o risco psicossocial de longo prazo do COVID-19, os governos e as empresas podem querer reimaginar o futuro para aliviar as disparidades econômicas. Mais inovação pode ser valiosa  em torno do redesenvolvimento acelerado de habilidades, reimplantação de empregos e incentivo aos investimentos no crescimento do emprego local. E, intervenções comprovadas  podem  ser  aplicadas,  inclusive  permitindo que as  pessoas protejam sua saúde (por exemplo, licença médica remunerada); e garantir que as pessoas cujos meios de subsistência tenham sido afetados pelo COVID-19 sejam capazes de atender às necessidades básicas, como alimentação, moradia e cuidados com crianças.

Na  turbulência em torno da economia e do próprio coronavírus, a  sociedade deve estar atenta à sua resiliência coletiva.  A ansiedade, o estresse, o luto e a incerteza geral deste tempo levarão, sem dúvida, a crises de saúde comportamental e mental. Por isso, é importante que as comunidades que buscam um “próximo normal” possam extrair de sua força inerente e compaixão para reconhecer, tratar e apoiar aqueles que experimentam esse pedágio humano da pandemia do COVID-19.

Fonte: McKinsey Quarterly

Bibliografia:

  1. Classen TJ e Dunn RA, “O efeito da perda de emprego e da duração do desemprego sobre o risco de suicídio nos Estados Unidos: um novo olhar usando demissões em massa e duração do desemprego”,  Health Econ, 2012, Volume 21, Número 3, 338-50, ncbi.nlm.nih.gov.
  2. Milner A, Page A e LaMontagne AD, “Causa e efeito em estudos sobre desemprego, saúde mental e suicídio: uma revisão metaanalítica e conceitual”, Medicina Psicológica , 2014, Volume 44, Número 5, pp. 909-17, nlm.nih.gov.
  3. Nordt C et al., “Modelagem do suicídio e do desemprego: uma análise longitudinal abrangendo 63 países, 2000-11”, Lancet Psychiatry, 2015, Volume 2, Número 3, 239-45, ncbi.nlm.nih.gov.
  4. Paul KI e Moser K, “O desemprego prejudica a saúde mental: meta-análises”, Journal of Vocational Behavior, 2009, Volume 74, Número 3, 264-82, sciencedirect.com.
  5. Goldmann E e Galea S, “Consequências para a saúde mental de desastres”, Annu Rev Public Health,2014, Volume 35, pp. 169-83, nlm.nih.gov.
  6. Forbes MK e Krueger RF, “A Grande Recessão e Saúde Mental nos Estados Unidos”, Ciência Psicológica Clínica,2019, Volume 7, Número 5, pp. 900-13, sagepub.com.
  7. Witters D, Americans Less Happy, More Stressed in 2009, GALLUP, 1 de janeiro de 2010, news.gallup.com.
  8. Caso A e Deaton A, Mortes do Desespero e o Futuro do Capitalismo, primeira edição, Princeton, NJ: Princeton University Press