Hospital Leforte compra clínica IPC

Lopes, do grupo Leforte, que segue investindo em expansão: “Na retomada da
economia, precisamos estar prontos”

O grupo hospitalar Leforte ­ atual nome do hospital Bandeirantes ­ adquiriu 80% do Instituto Paulista de Cancerologia (IPC), rede com três clínicas oncológicas fundada pela família do médico Guilherme Mendes Filho, segundo o Valor apurou.

Com dois hospitais, duas torres de consultórios médicos e laboratórios nos bairros da Liberdade e Morumbi, na capital paulista, o grupo Leforte projeta fechar o ano com uma receita bruta de R$ 700 milhões, um aumento de 8% em relação a 2016.

A rede de clínicas IPC é a primeira aquisição desde que, em setembro de 2015, o grupo deixou de ser filantrópico e tornou-se uma instituição com fins lucrativos. O Bandeirantes foi o primeiro hospital brasileiro a fazer a mudança de razão jurídica após a aprovação da lei, em janeiro de 2015, que permite a participação de capital estrangeiro em hospitais nacionais.

Desde então, o grupo hospitalar é alvo de investidores. O CEO do Leforte, Rodrigo Lopes, diz que o grupo não está a venda e argumenta que a decisão de se tornar um hospital com fins lucrativos se deu porque estava inviável continuar atendendo o Sistema Único Saúde (SUS), cuja tabela de remuneração é defasada. No entanto, o executivo não descarta a entrada de um sócio minoritário para capitalizar a expansão.

“Hoje, nosso foco é a expansão orgânica, vamos abrir 100 leitos com recursos próprios. Mas também temos mapeados quatro ativos de hospitais e clínicas no Estado de São Paulo para aquisição”, disse Lopes. O executivo explica que ainda não está definida qual será a fonte dos recursos para as aquisições, que pode ser desde financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) até a venda de uma fatia minoritária para um investidor. Ele não comentou a compra do IPC.

Os novos leitos começam a ser abertos no segundo semestre de 2018, quando fica pronta uma nova torre que abrigará 50 unidades de internação. Está prevista ainda a abertura de outros 50 leitos no atual prédio da Liberdade. Atualmente, os dois hospitais do grupo têm juntos 370 leitos.

“Apesar da crise, mantemos os investimentos. A área da saúde têm uma latência diferente dos demais setores. Demora mais para sentir a crise, mas também demanda investimentos antecipados porque são de longo prazo e, na retomada da
economia, precisamos estar prontos”, disse o CEO do Leforte, contratado em 2012.

Antes, havia trabalhado na operadora de planos de saúde São Francisco e no hospital Albert Einstein. Desde 2012, o grupo hospitalar reserva em média R$ 20 milhões por ano para financiar a expansão e manutenção das operações. O dinheiro vem do caixa da instituição fundada há 70 anos pela família Medeiros.

Formada por médicos, a família Medeiros é dona também do Hospital Lacan, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, que atende exclusivamente pacientes da rede pública de saúde. O Lacan é administrado pela Sociedade Assistencial Bandeirantes, que é filantrópica e tem uma gestão separada das unidades com fins lucrativos.

Fonte: Valor Econômico